Criar um negócio online. O panorama de uma micro/pequena empresa

Com a quantidade de programas públicos e privados, que promovem o empreendedorismo digital, a dificuldade de criar um conceito inovador é por vezes uma barreira que impede algumas boas ideias de ganharem vida fora do caderno.

Nos últimos anos temos recebido, na Modular Studio e na Getcode, um vasto leque de pedidos de ajuda para lançar negócios online, desde serviços de distribuição de alimentos à porta de casa até ferramentas para descobertas de locais turísticos, impulsionados pelo desejo destes empreendedores em lançarem a sua ideia neste mercado, cada vez mais importante, do mundo tecnológico.

Retiramos a ideia dos contactos que nos fazem, que na maioria, conhecem bem o seu negócio, mas apresentam um grande desconhecimento de como funciona um serviço online, ou têm expectativas irrealistas perante tamanho universo de possibilidades. Muitas das vezes sugerem que colocar o seu produto ou serviço numa página online será suficiente para obter sucesso comercial no mercado digital.

Claro que não podia estar mais longe da verdade.

A realidade é que apenas uma pequena percentagem destes projetos têm sucesso e sustentabilidade ao longo dos anos, e estes casos estão quase sempre relacionados com empreendedores que, em primeiro lugar, sabem delegar tarefas especializadas a quem tem capacidades para fazer o trabalho, criando uma equipa multidisciplinar que permite levar a bom porto a sua ideia.

Exemplos de práticas sem sucesso ou menos boas são muitas ao longo dos anos. Muitas das vezes situações difíceis para nós, que com o olhar exterior, verificando que algumas das opções podiam não ser as melhores, mesmo assim não conseguimos contornar.

Alguns dos pontos comuns que coincidiram com projetos de insucesso:

— Clientes que querem microgerir todas as peças do negócio, até no copy dos flyerspromocionais, dedicando mais tempo a pedidos de revisão e alterações, muitas vezes até desenhando por eles próprios esses elementos, em vez de se focarem no modelo de negócio ou nos processos de venda do mesmo, demonstrando uma insegurança sobre o profissional que está a fazer o seu trabalho;

— Ideias irrealistas que não funcionais ao nível tecnológico mas que são alimentadas pelo fear of missing out sugeridos pela quantidade de negócios que há online, e pela questão: se todos têm, porque é que o meu negócio também não haveria de funcionar online?

— Falsa ideia de facilidade; basta colocar o meu produto numa loja online que logo obtenho um novo negócio no qual posso enriquecer, pois os custos são baixos e o público alvo do meu negócio aumentou agora 100 vezes;

— Efetuar exportações só porque agora a loja online tem uma versão com uma língua estrangeira, muitas vezes utilizando o Google Translate para maximizar o número de línguas possíveis;

— Preocupação excessiva no design e posicionamento de elementos gráficos do site/loja ao ponto de deixar para segundo plano a opinião dos clientes, o seu funcionamento e respetivo modelo de negócio.

— Não querer investir dinheiro após o lançamento do projeto, em plataformas de publicidade online, como o Google AdWords ou o Facebook Ads, por acreditar que são uma despesa e que as pessoas simplesmente encontram a sua marca pelo motor de busca.

Nem todos os micros/pequenos negócios são compatíveis com processos online. Muitos vivem da interação direta das pessoas e são esse o segredo do seu sucesso. Ao iniciar este caminho existem alguns pontos que são importantes compreender para que as expectativas sejam realistas e o projeto possa iniciar da melhor forma:

  • Uma loja/serviço online é um negócio como qualquer outro; Necessita de contínua promoção e trabalho, principalmente no apoio ao cliente.
  • É necessária uma equipa ou um conhecimento multi disciplinado, pois, um negócio online necessita de design, programação e marketing digital. Pelo menos numa primeira fase, visto que, no caso de sucesso irá precisar de um maior número de disciplinas.
  • Como é que o cliente vai encontrar o meu projeto online? Em que meios digitais será feita a promoção?
  • Compreender os comportamentos do consumidor digital. Como utiliza o telemóvel ou o computador para interagir com o seu serviço ou loja.
  • Qual o fator diferenciador? Acrescenta algum valor a negócios já existentes?

Na segunda parte desta série de artigos vamos focar nos pontos chave e nos casos de sucesso de projetos que ainda hoje marcam pela diferença dentro deste mercado.

 

Pedro Seco
Modular Studio